segunda-feira, 3 de agosto de 2009

O que Go­i­ás pre­ci­sa?

Par­ti­dos se con­cen­tram em no­mes pa­ra 2010 e es­que­cem de pro­je­tos. Lí­de­res clas­sis­tas, ana­lis­tas e es­pe­cia­lis­tas em marke­ting po­lí­ti­co se adi­an­tam na dis­cus­são

INÃ ZOÉ E SA­RAH MOHN

Es­pe­cu­la-se de­sen­fre­a­da­men­te so­bre quem de­ve­rá ser can­di­da­to ao go­ver­no de Go­i­ás em 2010. Con­fir­ma-se e ne­ga-se no mes­mo rit­mo a vin­da de fu­la­no ao Es­ta­do, a de­sis­tên­cia de bel­tra­no à can­di­da­tu­ra ou a in­cer­te­za do fu­tu­ro po­lí­ti­co de si­cra­no. Pá­gi­nas de po­lí­ti­ca na im­pren­sa go­i­a­na têm es­tam­pa­do nu­ma ro­ti­na ma­çan­te afir­ma­ções ne­ga­das no dia se­guin­te.

En­quan­to as agre­mia­ções par­ti­dá­ri­as se con­cen­tram em afu­ni­lar ne­go­ci­a­ções e con­so­li­dar ali­an­ças, pou­co se ou­ve fa­lar em pro­je­tos po­lí­ti­cos pa­ra go­ver­nar Go­i­ás. Em meio a tan­tas in­de­fi­ni­ções — que só de­vem mes­mo co­me­çar a par­tir de se­tem­bro, mês li­mi­te pa­ra fi­li­a­ções em par­ti­do po­lí­ti­cos — há cer­tas per­gun­tas que ain­da não fo­ram res­pon­di­das por gru­pos po­lí­ti­cos e seg­men­tos or­ga­ni­za­dos da so­ci­e­da­de. Qual o pro­je­to po­lí­ti­co-ad­mi­nis­tra­ti­vo que Go­i­ás pre­ci­sa a par­tir de 2011? In­de­pen­den­te­men­te de quem ven­cer as elei­ções da­qui a 15 mes­es, o que o go­ver­nan­te elei­to de­ve tra­çar co­mo pri­o­ri­da­de pa­ra ad­mi­nis­trar o Es­ta­do?

Li­de­ran­ças po­lí­ti­cas e clas­sis­tas, em­pre­sá­rios, ana­lis­tas, eco­no­mis­tas e mer­ca­dó­lo­gos, os fa­mo­sos “mar­que­tei­ros”, po­rém, se adi­an­tam na dis­cus­são e apon­tam as prin­ci­pa­is mu­dan­ças que de­vem ocor­rer no Es­ta­do. Ob­via­men­te que as di­ver­gên­cias são ta­ma­nhas. Uns de­fen­dem for­tes in­ves­ti­men­tos em in­fra­es­tru­tu­ra, co­mo a du­pli­ca­ção de ro­do­vi­as e ex­pan­são das re­des de ener­gia, e ou­tros cre­di­tam à Edu­ca­ção a ta­re­fa de pro­mo­ver o de­sen­vol­vi­men­to de Go­i­ás.

Agi­li­da­de é a pa­la­vra cha­ve pa­ra o pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção das In­dús­tri­as do Es­ta­do de Go­i­ás (Fi­eg), Pau­lo Afon­so Fer­rei­ra. Ele con­ta que a en­ti­da­de tem se re­u­ni­do com o seg­men­to pa­ra a ela­bo­ra­ção de um pla­no, que se­rá en­tre­gue ao pró­xi­mo go­ver­nan­te e irá co­la­bo­rar nas ações re­la­ci­o­na­das ao se­tor. O ex­ces­so de bu­ro­cra­cia, se­gun­do o pre­si­den­te, tem em­per­ra­do ações pú­bli­cas im­por­tan­tes, con­se­quen­te­men­te re­fle­ti­das no cres­ci­men­to da re­gi­ão. “De­ve­mos es­tu­dar no­vo pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to in­dus­tri­al, de atra­ção de em­pre­sas e in­cen­ti­vos, de for­ma a ter com­pe­ti­ti­vi­da­de no se­tor em­pre­sa­ri­al go­i­a­no.”

Pa­ra o lí­der clas­sis­ta, a cri­se fi­nan­cei­ra mun­di­al, por mais que te­nha atin­gi­do as gran­des po­tên­cias co­mo EUA e Eu­ro­pa, trou­xe be­ne­fí­ci­os pa­ra o Bra­sil e pa­ra Go­i­ás. “A po­lí­ti­ca de fi­car ex­por­tan­do so­men­te ma­té­ria-pri­ma não é o ide­al, mas te­nho que ad­mi­tir que o Es­ta­do vem cres­cen­do mui­to nes­te sen­ti­do. Pa­ra que es­se de­sen­vol­vi­men­to se acen­tue é ne­ces­sá­rio avan­çar no pro­ces­so de cons­tru­ção de hi­dro­vi­as, nas li­nhas de trans­mis­são de ener­gia elé­tri­ca, du­pli­ca­ções das ro­do­vi­as es­ta­du­ais, in­clu­si­ve ade­rin­do à po­lí­ti­ca das con­ces­sões”, com­ple­ta.

Fer­rei­ra diz ain­da que não vê bons pro­je­tos na área so­ci­al sem que pri­mei­ro se in­vis­ta em in­fra­es­tru­tu­ra pa­ra dar su­por­te às ações. O di­á­lo­go fo­ca­do no as­sis­ten­ci­a­lis­mo, se­gun­do ele, ten­de a ge­rar ca­da vez mais ne­ces­si­da­des. O ide­al se­ria a pro­fis­si­o­na­li­za­ção de mão-de-obra por meio de po­lí­ti­cas pú­bli­cas con­jun­tas en­tre Fe­de­ra­ção e Es­ta­do, au­men­tan­do as­sim as chan­ces de em­pre­go e ge­ra­ção de ren­da, que con­se­quen­te­men­te cul­mi­na­ri­am no de­sen­vol­vi­men­to so­ci­al.

À fren­te da As­so­cia­ção Co­mer­cial, In­dus­tri­al e de Ser­vi­ços do Es­ta­do de Go­i­ás (Aci­eg), Pe­dro Bit­tar acre­di­ta que o pri­mei­ro pas­so a ser to­ma­do pe­lo no­vo go­ver­no de­ve ser vol­ta­do pa­ra a pro­du­ção. “Te­mos que trans­for­mar Go­i­ás no prin­ci­pal po­lo se­men­tei­ro do Pa­ís”. Lem­bran­do que o Es­ta­do fi­cou fo­ra da lis­ta das se­des da Co­pa do Mun­do de 2014, Bit­tar res­sal­ta que a aten­ção de­ve ser re­do­bra­da de for­ma que as obras pri­mor­di­ais não se­jam pre­ju­di­ca­das. “Te­mos que tra­tar de ener­gia e tran­spor­te. Quan­do se in­ves­te na in­dus­tri­a­li­za­ção is­so ge­ra co­mér­cio e pres­ta­ção de ser­vi­ço”, fri­sa.

A qua­li­fi­ca­ção pro­fis­si­o­nal tem si­do fa­tor de pe­so no que diz res­pei­to ao de­sen­vol­vi­men­to, tan­to in­dus­tri­al quan­to so­ci­al, mas em Go­i­ás es­se re­cur­so foi du­ran­te mui­to tem­po es­cas­so, sen­do mui­tas ve­zes im­por­ta­do de ou­tras re­gi­ões. Nos úl­ti­mos dez anos, co­mo ob­ser­va o pre­si­den­te da Aci­eg, es­sa re­a­li­da­de tem mu­da­do de­vi­do a in­cen­ti­vos, que de­vem ser ain­da mais am­pli­a­dos. “Ou­tras fren­tes, co­mo a in­dús­tria do tu­ris­mo, vêm se de­sen­vol­ven­do bem e ne­ces­si­tam de ações mais enér­gi­cas por par­te do po­der pú­bli­co.”

So­bre o te­or dos dis­cur­sos de 2010, ele res­sal­ta que sa­li­en­tar de­mais a cri­se mun­di­al se­rá um ti­ro no pé, pa­ra qual­quer que se­ja o can­di­da­to. “Eles de­vem dis­cu­tir o fu­tu­ro de Go­i­ás, não o pas­sa­do. Lá na fren­te não te­re­mos cri­ses e sim re­a­li­za­ções. Nós do se­tor pro­du­ti­vo que­re­mos pro­pos­tas que ve­nham au­men­tar a ar­re­ca­da­ção do Es­ta­do, mais em­pre­gos e di­vi­sas.”

Con­cor­dan­do com Bit­tar, o pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção da Agri­cul­tu­ra e Pe­cu­á­ria do Es­ta­do de Go­i­ás (Fa­eg), Jo­sé Má­rio Schrei­ner, diz que os can­di­da­tos mais pre­ca­vi­dos tal­vez usem a cri­se pa­ra le­van­tar um dis­cur­so de cau­te­la, mas pro­cu­ran­do evi­tar o as­sun­to sem­pre que pos­sí­vel. Ele ava­lia que ho­je a ren­da do bra­si­lei­ro tem se­gu­ra­do mui­to es­te mo­men­to de ins­ta­bi­li­da­de eco­nô­mi­ca e den­tro des­se con­cei­to Go­i­ás es­tá bem si­tu­a­do. “O agro­ne­gó­cio tem mi­ni­mi­za­do es­te pro­ble­ma em to­do o Bra­sil”, ob­ser­va.

Pa­ra o pre­si­den­te da Fa­eg, o pon­to pri­mor­di­al pa­ra o avan­ço das re­a­li­za­ções pú­bli­cas, em se tra­tan­do de pla­nos de ges­tão, gi­ra em tor­no da dis­cus­são per­ma­nen­te que de­ve ha­ver en­tre so­ci­e­da­de re­pre­sen­ta­da e go­ver­no do Es­ta­do. Schrei­ner lem­bra que 70% da eco­no­mia go­i­a­na es­tá cal­ca­da na agro­pe­cu­á­ria, ca­ben­do aí um olhar es­pe­ci­al pa­ra o se­tor, com des­ta­que pa­ra o pe­que­no pro­du­tor, que é quem ge­ra os efei­tos da ca­deia.

Ele afir­ma, en­tre­tan­to, que os avan­ços tec­no­ló­gi­cos de­vem ser in­ten­si­fi­ca­dos e es­ta­rem to­tal­men­te à dis­po­si­ção da so­ci­e­da­de, di­fe­ren­te­men­te do que ocor­re ho­je com as pes­qui­sas agro­pe­cu­á­rias re­a­li­za­das em ní­vel pri­va­do. Cri­ti­can­do a po­lí­ti­ca agrí­co­la de­sen­vol­vi­da pe­lo go­ver­no fe­de­ral, o pre­si­den­te a ava­lia co­mo ca­pen­ga e ine­fi­ci­en­te. “Por is­so te­mos ti­do tan­tos pro­ble­mas nos úl­ti­mos anos, co­mo a fal­ta de me­ca­nis­mos de mer­ca­do que pos­sam pro­te­ger o pro­du­tor e sua pro­du­ção.”

Schrei­ner vê pos­si­bi­li­da­de de de­sen­vol­vi­men­to com mai­o­res in­ves­ti­men­tos em in­fra­es­tru­tu­ra e lo­gís­ti­ca, de for­ma que os pro­du­tos se tor­nem mais com­pe­ti­ti­vos. Nes­te con­tex­to, a de­fe­sa sa­ni­tá­ria ágil e efi­ci­en­te se­ria um dos fa­to­res pri­mor­di­ais na ga­ran­tia da qua­li­da­de dos pro­du­tos e, con­se­quen­te­men­te, mais es­pa­ço no mer­ca­do.

So­bre ques­tões am­bien­tais, di­fi­cil­men­te le­van­ta­das em dis­cur­sos elei­to­rei­ros, não que se­jam me­nos im­por­tan­tes, Schrei­ner de­fen­de a po­lí­ti­ca da sus­ten­ta­bi­li­da­de. O Pa­ís pos­sui atu­al­men­te uma le­gis­la­ção úni­ca, que no en­ten­di­men­to de­le tem pre­ju­di­ca­do o de­sen­vol­vi­men­to re­gi­o­nal, prin­ci­pal­men­te por seu ex­tre­mis­mo. “É pre­ci­so que ha­ja sem­pre uma in­ter­fe­rên­cia téc­ni­ca e ci­en­tí­fi­ca com o apoio do go­ver­no pa­ra que pos­sa­mos evo­lu­ir de for­ma au­tos­su­fi­ci­en­te. Pen­so que es­se as­sun­to de­ve ser dis­cu­ti­do com mui­ta ma­tu­ri­da­de e gran­de­za.”

Pre­si­den­te da As­so­cia­ção Pró-De­sen­vol­vi­men­to In­dus­tri­al do Es­ta­do de Go­i­ás (Adi­al), Ra­ul Pau­lo Cos­ta faz uma aná­li­se su­cin­ta a par­tir do qua­dro atu­al, re­lem­bran­do ain­da os in­ves­ti­men­tos e in­cen­ti­vos fis­cais pra­ti­ca­dos na dé­ca­da de 1980. De acor­do com ele, com o ad­ven­to do Pro­gra­ma Fo­men­tar mui­tas em­pre­sas fo­ram mo­ti­va­das a se ins­ta­la­rem em Go­i­ás, o que a prin­cí­pio, mes­mo com to­dos os be­ne­fí­ci­os, foi po­si­ti­vo. “Ho­je, por exem­plo, ex­por­ta­mos car­ne bo­vi­na. Mas co­mo au­men­tar a pro­du­ção se es­ta­mos em um mo­men­to de cri­se? Não tem com­pra­dor”, res­sal­ta.

Pa­ra que a re­a­li­da­de eco­nô­mi­ca te­nha as me­lho­ras es­pe­ra­das o pre­si­den­te da Adi­al apos­ta em uma po­lí­ti­ca de con­ten­ção de des­pe­sas, as­sim co­mo já vem sen­do fei­to pe­la atu­al ges­tão. “O im­por­tan­te é con­ti­nu­ar man­ten­do a ca­sa em or­dem. Gas­tar so­men­te o que re­al­men­te en­tra em cai­xa.” In­da­ga­do so­bre as ne­ces­si­da­des de in­ves­ti­men­tos em in­fra­es­tru­tu­ra e no se­tor so­ci­al ele diz que são ne­ces­sá­rios, mas dis­tan­tes do que se ne­ces­si­ta re­al­men­te em Go­i­ás. “Se a eco­no­mia não es­tá boa não é pos­sí­vel aten­der a ou­tras áre­as.”

Edu­ca­ção en­tre as apos­tas

Pro­mo­ver o cres­ci­men­to, aten­der as ne­ces­si­da­des da po­pu­la­ção em to­das as áre­as, in­ves­tir em ci­ên­cia e tec­no­lo­gia, en­fim, são inú­me­ros fa­to­res de res­pon­sa­bi­li­da­de do Es­ta­do, que ain­da pre­ci­sa li­dar com as pres­sões so­fri­das por to­dos os la­dos. Co­mo aten­der ao de­se­jo do pro­du­tor ru­ral sem in­ter­fe­rir nas ci­da­des, ou mes­mo dar in­cen­ti­vo pa­ra as in­dús­tri­as quan­do se ne­ces­si­ta de ar­re­ca­da­ção pa­ra cus­te­ar in­clu­si­ve os pro­gra­mas de cu­nho so­ci­al? Há de se con­vir que não é ta­re­fa fá­cil e in­fe­liz­men­te, quan­do ati­tu­des ir­res­pon­sá­veis são to­ma­das, os da­nos são sen­ti­dos em pra­ti­ca­men­te to­das as es­fe­ras da so­ci­e­da­de.

Pro­fes­sor de Eco­no­mia da Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca de Go­i­ás (UCG), Lu­iz Al­ber­to Go­mes de Oli­vei­ra afir­ma que na ques­tão fis­cal e am­bien­tal o Es­ta­do tri­lhou o ca­mi­nho da in­sus­ten­ta­bi­li­da­de. Ele, que tam­bém é se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal de Pla­ne­ja­men­to e Ur­ba­nis­mo e pre­si­den­te do di­re­tó­rio lo­cal do PT, diz que a des­tru­i­ção do Cer­ra­do é ní­ti­da e que a fal­ta de água em al­gu­mas re­gi­ões já apon­tam pa­ra o gra­ve pro­ble­ma que po­de­rá ser en­fren­ta­do em um fu­tu­ro pró­xi­mo. “Não es­ta­mos tra­tan­do o es­go­to co­mo de­ve­ria, po­lu­in­do rios e em al­gu­mas re­gi­ões pre­do­mi­na a mo­no­cul­tu­ra com a uti­li­za­ção de de­fen­si­vos agrí­co­las”, acen­tua.

Ele ob­ser­va cla­ra­men­te que há pri­vi­lé­gio mai­or pa­ra as gran­des ci­da­des en­quan­to pou­co se fa­la em po­lí­ti­cas vol­ta­das pa­ra o ho­mem do cam­po e os pe­que­nos mu­ni­cí­pios, que so­frem com a fal­ta de in­ves­ti­men­tos. Do pon­to de vis­ta fis­cal, o pro­fes­sor diz que os in­cen­ti­vos da­dos no pas­sa­do já não con­se­guem man­ter a mes­ma efi­cá­cia. Até por­que, vá­rios ou­tros Es­ta­dos, in­clu­in­do o Dis­tri­to Fe­de­ral, já se uti­li­zam des­sa prer­ro­ga­ti­va. “E co­mo não se apro­va a re­for­ma tri­bu­tá­ria, nem sa­be­mos se es­se in­cen­ti­vo vai con­ti­nu­ar exis­tin­do.”

Es­sa ir­res­pon­sa­bi­li­da­de tri­bu­tá­ria, se­gun­do ele, fez com que Go­i­ás per­des­se a ca­pa­ci­da­de de in­ves­ti­men­to em in­fra­es­tru­ru­ra e de pro­pi­ci­ar bens pú­bli­cos ao con­jun­to do Es­ta­do. “É ne­ces­sá­ria a re­for­ma pro­fun­da do mo­de­lo de de­sen­vol­vi­men­to, pa­ra que não con­ti­nu­e­mos sen­do pe­na­li­za­dos. Ho­je a po­pu­la­ção pa­ga uma car­ga tri­bu­tá­ria mai­or, pa­ra que al­guns gru­pos eco­nô­mi­cos se be­ne­fi­ci­em des­ses in­cen­ti­vos”, ava­lia. En­tre os in­ves­ti­men­tos ne­ces­sá­rios ele apon­ta a qua­li­fi­ca­ção de mão-de-obra, a am­pli­a­ção da es­tru­tu­ra de co­mu­ni­ca­ção, além do me­lho­ra­men­to lo­gís­ti­co.

Mes­mo dis­cur­so — Ape­sar de pon­tu­ar o que acre­di­ta ser ne­ces­sá­rio pa­ra uma boa ges­tão a par­tir de 2011, Oli­vei­ra não apos­ta em gran­des mu­dan­ças nos pa­lan­ques: “Ape­sar de al­guns can­di­da­tos in­di­ca­rem cer­ta evo­lu­ção, ve­jo ba­si­ca­men­te o dis­cur­so de qua­se 20, 30 anos”. Ele diz ain­da ser bem pro­vá­vel que a elei­ção na­ci­o­nal pa­ra Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca in­ter­fi­ra, mes­mo que in­di­re­ta­men­te, no plei­to es­ta­du­al, res­sal­tan­do que tu­do vai de­pen­der da con­jun­tu­ra po­lí­ti­ca que se for­ma­rá até lá. “É na­tu­ral que a elei­ção pre­si­den­ci­al ge­re in­ter­fe­rên­cia po­si­ti­va ou não, de­pen­den­do in­clu­si­ve de co­mo o Bra­sil vai sa­ir des­sa cri­se.”

Pa­ra o eco­no­mis­ta Je­fer­son de Cas­tro Vi­ei­ra o mo­men­to é de gran­des opor­tu­ni­da­des. Ele no­ta que o Bra­sil tem fei­to bons ne­gó­ci­os com o ex­te­ri­or que po­dem cer­ta­men­te vir a con­tri­bu­ir com a eco­no­mia go­i­a­na. Os in­ves­ti­men­tos, prin­ci­pal­men­te nes­te mo­men­to de cri­se, de­vem con­ti­nu­ar mes­mo que ve­nham por meio de ca­pi­tal es­tran­gei­ro. “Pre­ci­sa­mos abrir ho­ri­zon­tes com ou­tros paí­ses co­mo a Chi­na, tra­zen­do no­vas in­dús­tri­as”, en­fa­ti­za.

Mes­mo de­fen­den­do uma ges­tão vol­ta­da pa­ra a am­pli­a­ção da in­fra­es­tru­tu­ra, o eco­no­mis­ta res­sal­ta que a Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Go­i­ás (UEG) de­ve re­ce­ber tra­ta­men­to es­pe­ci­al de for­ma a con­so­li­dar po­lí­ti­cas mais am­plas de ino­va­ção tec­no­ló­gi­ca. Pa­ra que ha­ja cres­ci­men­to e de­sen­vol­vi­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo nos pró­xi­mos anos, Vi­ei­ra diz ser es­sen­cial as par­ce­rias en­tre go­ver­nos fe­de­ral, es­ta­du­ais e mu­ni­ci­pa­is. “Es­se é um pro­je­to que pre­ci­sa con­so­li­dar a lo­gís­ti­ca, in­clu­in­do Fer­ro­via Nor­te-Sul, a du­pli­ca­ção de ro­do­vi­as, en­fim, ins­tru­men­tos que co­la­bo­rem pa­ra a re­du­ção no cus­to e agi­li­da­de nos tran­spor­tes.”

Na agen­da so­ci­al, ele diz que se­rá ne­ces­sá­rio pre­pa­rar o ci­da­dão pa­ra o mun­do do tra­ba­lho com a qua­li­fi­ca­ção da mão-de-obra. Em de­cor­rên­cia de pro­ble­mas fi­nan­cei­ros, pro­je­tos so­ci­ais do Es­ta­do ti­ve­ram que ser re­vis­tos e is­so po­de mu­dar o dis­cur­so as­sis­ten­ci­a­lis­ta das pró­xi­mas elei­ções. Po­rém, o eco­no­mis­ta diz que, até mes­mo em de­cor­rên­cia da fra­gi­li­da­de eco­nô­mi­ca atu­al, ele de­ve ocor­rer de ma­nei­ra mais ame­na.

Co­or­de­na­dor do cur­so de Ci­ên­cias Eco­nô­mi­cas e Con­tá­beis das Fa­cul­da­des Al­ves Fa­ria (Al­fa), Jú­lio Pas­cho­al diz que o me­lhor é o Es­ta­do im­ple­men­tar uma po­lí­ti­ca de in­clu­são so­ci­al pe­la pro­du­ção. Se­gun­do ele, qual­quer go­ver­no de­ve­rá fa­zer uma com­bi­na­ção das du­as for­mas de ges­tão, tan­to in­ves­tin­do em in­fra­es­tru­tu­ra quan­to no so­ci­al. Ele lem­bra que in­ves­ti­men­to em obras se faz ne­ces­sá­rio prin­ci­pal­men­te co­mo for­ma de com­ba­ter a cri­se. “Obra pú­bli­ca ge­ra em­pre­go, um im­pe­ra­ti­vo no Bra­sil”, lem­bra. Já a pri­o­ri­za­ção no so­ci­al é uma for­ma de in­clu­ir pes­so­as que es­tão à mar­gem da so­ci­e­da­de.

O pro­fes­sor diz que a pri­o­ri­za­ção em in­fra­es­tu­tu­ra é uma for­ma de di­mi­nu­ir os gas­tos com o so­ci­al e au­to­ma­ti­ca­men­te co­lo­car o Es­ta­do nu­ma po­si­ção de cres­ci­men­to. “Na me­di­da que as pes­so­as têm em­pre­go e ren­da, o Es­ta­do pre­ci­sa dar me­no Bol­sas ou ou­tros ti­pos de aju­da às fa­mí­lias.”

Equi­lí­brio — O ex-mi­nis­tro do De­sen­vol­vi­men­to Flá­vio Pei­xo­to é en­fá­ti­co ao di­zer que tu­do de­cor­re do en­si­no de qua­li­da­de. Se­gun­do ele, que é eco­no­mis­ta, a dis­cus­são de no­vo pro­je­to pa­ra o se­tor tem ti­do res­pal­do em ní­vel na­ci­o­nal. Mas ele diz que não tem no­ta­do a mes­ma pre­o­cu­pa­ção em Go­i­ás. “A edu­ca­ção tem o po­der de re­du­zir as de­si­gual­da­des so­ci­ais e é o que pre­ci­sa­mos nes­te mo­men­to.”

Pei­xo­to afir­ma, po­rém, que é ne­ces­sá­rio ha­ver um equi­lí­brio en­tre in­ves­ti­men­tos na área so­ci­al e em in­fra­es­tru­tu­ra. “O go­ver­no já não po­de aban­do­nar es­sa re­de de pro­te­ção cons­ti­tu­í­da ho­je, que en­vol­ve in­clu­si­ve a Sa­ú­de e a Se­gu­ran­ça. Mas não adi­an­ta in­ves­tir só no so­ci­al sem ge­rar em­pre­go e ren­da.” So­bre a in­ter­fe­rên­cia da po­lí­ti­ca na­ci­o­nal em ní­vel es­ta­du­al o eco­no­mis­ta diz que não é um fa­to no­vo. “Re­gi­o­nal­men­te ela sem­pre ocor­reu de for­ma mui­to in­de­pen­den­te. A pro­xi­mi­da­de e va­lo­ri­za­ção das ques­tões es­ta­du­ais cau­sam is­so”, fri­sa.

Pro­fes­sor e rei­tor da Uni­ver­si­da­de Anhan­gue­ra, Jo­venny Cân­di­do de Oli­vei­ra diz que ne­nhum go­ver­na­dor se­rá bem su­ce­di­do se não res­pei­tar três as­pec­tos bá­si­cos: Edu­ca­ção, Sa­ú­de e Se­gu­ran­ça. Pro­fes­sor há 40 anos, ele ob­ser­va que os alu­nos de ma­nei­ra ge­ral têm che­ga­do frá­geis ao Ter­cei­ro Grau em de­cor­rên­cia, prin­ci­pal­men­te, de má for­ma­ção no en­si­no bá­si­co.

So­bre a ne­ces­si­da­de de me­lho­rar o aten­di­men­to à sa­ú­de no Es­ta­do, Jo­venny, que é um dos gran­des no­mes do PP go­i­a­no, diz que en­tre as me­di­das que de­vem ser am­pli­a­das es­tá a cons­tru­ção de mais hos­pi­tais re­gi­o­nais, o me­lhor zo­ne­a­men­to e a in­ten­si­fi­ca­ção da me­di­ci­na fa­mi­liar. No fa­tor se­gu­ran­ça ele res­sal­ta que a ca­da dia a si­tu­a­ção tem fi­ca­do ca­da vez mais “ca­ta­clís­mi­ca”, ne­ces­si­tan­do de me­di­das enér­gi­cas por par­te do po­der pú­bli­co.

Tra­tan­do do que o rei­tor cha­ma de as­pec­tos se­cun­dá­rios, ele le­van­ta a ne­ces­si­da­de de mai­or va­lo­ri­za­ção do se­tor agro­pe­cu­á­rio, já que Go­i­ás é um gran­de pro­du­tor de com­mo­di­ti­es. Con­tu­do, ele res­sal­ta que se faz ne­ces­sá­rio a in­dus­tri­a­li­za­ção des­tes pro­du­tos de for­ma a agre­gar va­lo­res e, com is­so, tor­nar os pre­ços mais com­pe­ti­ti­vos. “Nes­te mo­men­to de cri­se, se­re­mos me­nos afe­ta­dos que aque­les, que, por exem­plo, pro­du­zem com­pu­ta­do­res. Ho­je um dos gran­des mer­ca­dos que te­mos é a Chi­na e a Ín­dia, que jun­tas so­mam mais de 2 bi­lhões de ha­bi­tan­tes”.

Oli­vei­ra bus­ca na me­mó­ria seus tem­pos de ju­ven­tu­de pa­ra exem­pli­fi­car o sal­to que o Es­ta­do deu nos úl­ti­mos 50 anos. De acor­do com ele, se le­var em con­si­de­ra­ção que há cin­co dé­ca­das se de­mo­ra­va três di­as pa­ra se che­gar a Cam­pi­nas (SP), por não ha­ver ne­nhu­ma es­tra­da pa­vi­men­ta­da, fi­ca mais fá­cil men­su­rar o ca­mi­nho do de­sen­vol­vi­men­to per­cor­ri­do até ago­ra. “Os go­ver­na­do­res que por aqui pas­sa­ram atu­a­ram mui­to bem, ca­da um no seu se­tor, mas ve­jo que es­te é o mo­men­to de in­ves­tir nes­sas três áre­as: Edu­ca­ção, Sa­ú­de e Se­gu­ran­ça”.

Vi­su­a­li­zan­do o ce­ná­rio po­lí­ti­co de 2010, o pro­fes­sor acre­di­ta que ha­ve­rá a in­ter­fe­rên­cia na­ci­o­nal na cam­pa­nha es­ta­du­al, ha­ja vis­ta o pre­si­den­te Lu­iz Iná­cio Lu­la da Sil­va con­tar com cer­ca de 80% de apro­va­ção po­pu­lar. “Vai ha­ver in­flu­ên­cia de al­gu­ma for­ma, mas is­so só se­rá sen­ti­do por vol­ta de no­vem­bro e ou­tu­bro.” Ou­tro no­me que ele con­si­de­ra que in­ter­fe­ri­rá di­re­ta­men­te nas pró­xi­mas elei­ções é o do go­ver­na­dor Al­ci­des Ro­dri­gues. “A pa­la­vra de­le vai ser ex­tre­ma­men­te im­por­tan­te, por­que ho­je ele é re­co­nhe­ci­do co­mo um gran­de lí­der e re­a­li­za­dor”, des­ta­ca.

O tem­po vai pas­san­do e os ve­lhos dis­cur­sos se con­so­li­dan­do no­va­men­te na so­ci­e­da­de. Co­man­dar um Es­ta­do não é ta­re­fa fá­cil e de­pen­de de pla­ne­ja­men­to. Es­sa é a pa­la­vra: pla­ne­jar, pa­ra que os er­ros já co­me­ti­dos em ou­tras ges­tões não vol­tem a se re­pe­tir. Os re­cur­sos pú­bli­cos não de­vem ser tra­ta­dos de qual­quer for­ma, ali­cer­ça­do no “achis­mo”, mes­mo que por di­ver­sas ve­zes is­so ocor­ra. O que se de­ve ou não fa­zer, não ca­be a um can­di­da­to res­pon­der, mas sim a um con­jun­to de fa­to­res que res­pal­dem su­as ações ao lon­go dos qua­tro anos de man­da­to, de for­ma que Go­i­ás não pa­gue pe­lo er­ro de um dia ter apos­ta­do em ape­nas uma ges­tão.

Marke­ting pon­tua os de­sa­fi­os

Quem cos­tu­ma cu­i­dar da ima­gem dos can­di­da­tos du­ran­te as cam­pa­nhas elei­to­ra­is li­da com um de­sa­fio pe­cu­li­ar a ca­da plei­to. Pro­fis­si­o­nais de marke­ting es­tão per­ce­ben­do que, as­sim co­mo o par­ti­do po­lí­ti­co não é fa­tor pri­mor­di­al pa­ra o elei­tor es­co­lher o can­di­da­to, len­ta­men­te a po­pu­la­ção que­bra a ló­gi­ca de que o ob­je­to mais im­por­tan­te de uma elei­ção é o po­lí­ti­co.

“A po­pu­la­ção não es­tá mais em bus­ca de can­di­da­tos, mas de pro­pos­tas”, ex­pli­ca o pu­bli­ci­tá­rio Mar­cus Vi­ní­ci­us Quei­roz, com ex­pe­ri­ên­cia de vá­ri­as cam­pa­nhas po­lí­ti­cas, in­clu­si­ve no ex­te­ri­or, e que se diz um te­ra­peu­ta da co­mu­ni­ca­ção. Na opi­ni­ão de­le, aos pou­cos se per­ce­be ama­du­re­ci­men­to da con­sci­ên­cia po­lí­ti­ca dos ci­da­dã­os. É um pro­ces­so len­to, mas que se mo­vi­men­ta no Bra­sil. Pro­va dis­so se­ria o in­su­ces­so da es­tra­té­gia de ata­ques em pro­pa­gan­das elei­to­ra­is de rá­dio e te­le­vi­são du­ran­te o pe­rí­o­do de cam­pa­nha.

“O ata­que sem­pre mos­tra fra­que­za dos can­di­da­tos, e a po­pu­la­ção es­pe­ra mui­to mais que is­so, es­pe­ra pro­pos­tas cons­tru­ti­vas”, ava­lia Ha­mil­ton Car­nei­ro, pro­pri­e­tá­rio da Agên­cia de Pro­pa­gan­da Styllus. Des­de 1979 tra­ba­lhan­do com Iris Re­zen­de (PMDB), Ha­mil­ton ci­ta o exem­plo da elei­ção mu­ni­ci­pal do ano pas­sa­do, em que a equi­pe de marke­ting que cu­i­dou da cam­pa­nha do pre­fei­to pri­o­ri­zou a apre­sen­ta­ção de pro­pos­tas e evi­tou tan­to ata­que quan­to o re­vi­de de­les nas pro­pa­gan­das gra­tui­tas. O re­sul­ta­do deu cer­to: o pe­e­me­de­bis­ta foi re­e­lei­to no pri­mei­ro tur­no com 74,16% dos vo­tos.

Ata­ques fo­ra da lis­ta do can­di­da­to é ho­ra de de­fi­nir a es­tra­té­gia que se­rá apre­sen­ta­da ao elei­tor pa­ra go­ver­nar o Es­ta­do. É con­sen­so en­tre os es­pe­cia­lis­tas ou­vi­dos pe­la re­por­ta­gem que o pri­mei­ro pas­so é fa­zer um ma­pe­a­men­to de ca­rên­cias pre­sen­tes em to­do o Es­ta­do. Em se­gui­da, de­ve ser pro­du­zi­do um le­van­ta­men­to des­sas ca­rên­cias. Por fim, é che­ga­do o mo­men­to de pro­du­zir um pla­no es­tra­té­gi­co de go­ver­no.

É im­por­tan­te res­sal­tar que es­sa pri­mei­ra eta­pa de­ve ser re­a­li­za­da an­tes do iní­cio do pe­rí­o­do elei­to­ral, pois a me­ta de tra­ba­lho do can­di­da­to tem de es­tar na pon­ta da lín­gua em qual­quer con­ta­to do po­lí­ti­co com o elei­tor. O que nem sem­pre ocor­re. Pa­ra Mar­cus Vi­ní­ci­us, po­lí­ti­cos ca­em com fre­quên­cia no mes­mo er­ro: “Mais uma vez vão dei­xar pra fa­zer agen­da po­lí­ti­ca de úl­ti­ma ho­ra. Vão apre­sen­tar pro­pos­tas que se­rão im­pos­sí­veis de se­rem cum­pri­das, e quan­do co­me­çar a go­ver­nar vão cul­par a ad­mi­nis­tra­ção an­te­ri­or, di­zen­do que as­su­mi­ram o Es­ta­do que­bra­do”.

Fal­ta vi­são — Adep­to da opi­ni­ão de que fal­ta vi­são es­tra­té­gi­ca, o pu­bli­ci­tá­rio Mar­cus Vi­ní­ci­us pon­tua co­mo fa­lha re­cor­ren­te a au­sên­cia de pré-cam­pa­nha. Ele cri­ti­ca que até ago­ra os pos­sí­veis can­di­da­tos nem se­quer se apre­sen­ta­ram co­mo pré-can­di­da­tos. Por con­se­quên­cia, es­ta­ri­am so­ci­e­da­de e im­pren­sa sen­do pau­ta­das por es­pe­cu­la­ção. “De­ve­ri­am ser fei­tos de­ba­tes de pré-cam­pa­nha elei­to­ral, apre­sen­tan­do à po­pu­la­ção pro­je­tos re­ais e bus­can­do a par­ti­ci­pa­ção de to­do seg­men­to so­ci­al na ela­bo­ra­ção des­ses pro­je­tos.”

Mas qual se­ria o me­lhor dis­cur­so pa­ra o pró­xi­mo go­ver­na­dor de Go­i­ás? Que de­ve­ria con­ter nos pro­je­tos a se­rem apre­sen­ta­dos pe­los can­di­da­tos? O?que Go­i­ás pre­ci­sa?

Na opi­ni­ão do di­re­tor da AMP Pro­pa­gan­da, Mar­cos Si­quei­ra, o pró­xi­mo go­ver­na­dor de­ve se ba­se­ar na im­ple­men­ta­ção de po­lí­ti­ca pa­ra ge­ra­ção de em­pre­go vi­san­do o de­sen­vol­vi­men­to do Es­ta­do. “O ca­mi­nho se­ria ações de ur­gên­cia na área so­ci­al e uma po­lí­ti­ca de­sen­vol­vi­men­tis­ta pa­ra me­lho­rar a qua­li­da­de de vi­da. O res­to vi­ria a re­bo­que”, diz. Si­quei­ra apos­ta no dis­cur­so so­ci­al e su­ge­re que a me­lhor car­ta­da é pri­o­ri­zar áre­as de Edu­ca­ção, Sa­ú­de e Se­gu­ran­ça: “Co­mo o Es­ta­do não tem mui­to re­cur­so em cai­xa, é ne­ces­sá­rio in­ves­tir nas áre­as bá­si­cas”.

Ha­mil­ton Car­nei­ro dis­cor­da. Pa­ra ele o me­lhor pro­je­to ad­mi­nis­tra­ti­vo pa­ra Go­i­ás de­ve re­vi­sar o pro­je­to de in­fra­es­tru­tu­ra do Es­ta­do. Ele jus­ti­fi­ca a pri­o­ri­da­de ar­gu­men­tan­do que ho­je os pro­ble­mas nes­sa área são os mes­mos de 20 anos atrás. “Há mui­tos lo­ca­is no Es­ta­do sem es­tra­das, sem ener­gia elé­tri­ca. É pre­ci­so au­men­tar o po­ten­ci­al ener­gé­ti­co dos mu­ni­cí­pios. Me­lho­ran­do a in­fra­es­tru­tu­ra, atra­em-se no­vas em­pre­sas, o que fo­men­ta o de­sen­vol­vi­men­to do Es­ta­do”, pon­de­ra.

Já Mar­cus Vi­ní­ci­us de­fen­de a te­se de que pa­ra se ter um bom dis­cur­so é pre­ci­so uma es­tra­té­gia de­fi­ni­da, que não con­fie ape­nas em marke­ting elei­to­ral, e que co­lo­que nas man­gas do can­di­da­to pro­pos­tas que o di­fe­ren­ci­em dos de­mais. “O can­di­da­to que qui­ser se des­ta­car no pró­xi­mo plei­to de­ve ter um pro­pó­si­to di­fe­ren­te e apre­sen­tar à po­pu­la­ção um di­ag­nós­ti­co re­al da si­tu­a­ção do Es­ta­do. A par­tir daí, ava­li­ar co­mo po­de­ria ser ge­ri­da uma no­va re­a­li­da­de de de­sen­vol­vi­men­to.”

Mar­cus Vi­ní­ci­us dá di­ca a quem ain­da não co­lo­cou o car­ro na ave­ni­da. “A pri­mei­ra per­gun­ta que o go­ver­nan­te po­de co­me­çar fa­zen­do é: o que Go­i­ás quer ser da­qui a dez anos den­tro do ce­ná­rio na­ci­o­nal?” Ques­tões de mé­dio e lon­go pra­zos pa­re­cem ser a al­ter­na­ti­va que elei­to­res mais po­li­ti­za­dos bus­cam. O pro­ble­ma é que es­se ti­po de pro­je­to não ga­ran­te re­tor­no elei­to­ral. “Po­lí­ti­cos tra­ba­lham só em ci­ma de ne­ces­si­da­de, e não de pos­si­bi­li­da­de”, cri­ti­ca.

Pes­qui­sas — É sa­bi­do que ati­vi­da­de po­lí­ti­ca é mo­vi­da por pes­qui­sas quan­ti­ta­ti­vas e qua­li­ta­ti­vas. As ações de re­pre­sen­tan­tes do Exe­cu­ti­vo e do Le­gis­la­ti­vo — se não to­das, a mai­o­ria — são exe­cu­ta­das de­pois de ou­vi­da a opi­ni­ão do elei­to­ra­do, prin­ci­pal­men­te pe­los que se pre­o­cu­pam com fu­tu­ro po­lí­ti­co. O er­ro é que se in­ves­te nes­se as­pec­to ape­nas quan­do se es­tá no car­go de­se­ja­do. An­tes de che­gar lá, gas­ta-se di­nhei­ro com um di­re­cio­na­men­to ul­tra­pas­sa­do que pri­o­ri­za sa­ber quem é a pre­fe­rên­cia ou o prin­ci­pal pro­ble­ma apon­ta­do.

O no­vo elei­tor, com per­fil mais exi­gen­te po­li­ti­ca­men­te, pre­fe­re ser ques­ti­o­na­do so­bre o que ele quer pa­ra o Es­ta­do, e não quem ele quer que o go­ver­ne. Se há pré-can­di­da­tos se­guin­do es­sa li­nha, se­rá bem-su­ce­di­do. Mas o mo­men­to de co­lo­car o re­sul­ta­do das pes­qui­sas na me­sa de de­ba­te ur­ge. Co­mo bem con­cor­da Ha­mil­ton, em um ano — ou mais es­pe­ci­fi­ca­men­te 15 mes­es — não há uma mu­dan­ça de ce­ná­rio con­si­de­rá­vel. “As ne­ces­si­da­des que as pes­qui­sas apon­tam ho­je se­rão as mes­mas que na cam­pa­nha de 2010. Tem coi­sas que são per­ma­nen­tes”, ava­lia.

O que pen­sam os po­lí­ti­cos

As idéi­as apon­ta­das por re­pre­sen­tan­tes dos prin­ci­pa­is par­ti­dos po­lí­ti­cos de Go­i­ás tra­zem no­vi­da­des que po­dem ren­der Ibo­pe — al­gu­mas che­gam a ser ou­sa­das. Res­ta sa­ber se se­rão ma­te­ri­a­li­za­das em pro­pos­tas con­cre­tas. Mas a li­nha de pen­sa­men­to per­ma­ne­ce a mes­ma de­fen­di­da pe­los gru­pos po­lí­ti­cos de elei­ções pas­sa­das.

Ou­sa­do, o ex-de­pu­ta­do Vil­mar Ro­cha (DEM) acre­di­ta que trans­for­mar a atu­al po­lí­ti­ca so­ci­al se­ria o tram­po­lim pa­ra al­can­çar re­sul­ta­dos em ou­tras es­fe­ras. “É pre­ci­so cri­ar uma po­lí­ti­ca so­ci­al efi­ci­en­te, eman­ci­pa­tó­ria. In­fra­es­tru­tu­ra não po­de ser o pro­gra­ma cen­tral de um go­ver­no, por­que is­so é mui­to fá­cil fa­zer, bas­ta que­rer”, ar­gu­men­ta. De­fen­de que o go­ver­no no po­der tem que pro­mo­ver o Es­ta­do com pres­ta­ção de ser­vi­ços e me­lho­rar o pa­drão de as­sis­tên­cia so­ci­al. “Go­ver­no mo­der­no é o que pro­mo­ve e ga­ran­te di­rei­tos aos ci­da­dã­os.”

Vil­mar Ro­cha exem­pli­fi­ca sua idéia afir­man­do que se fos­se de­fi­nir uma es­tra­té­gia de go­ver­no, co­me­ça­ria trans­for­man­do a Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Go­i­ás (UEG) num gran­de cen­tro de for­ma­ção de pro­fes­so­res pa­ra a Edu­ca­ção Fun­da­men­tal, pa­ra atu­ar es­pe­ci­al­men­te no in­te­ri­or do Es­ta­do. A UEG não dei­xa­ria de dis­po­ni­bi­li­zar cur­sos de gra­du­a­ção, mas pri­o­ri­za­ria a for­ma­ção de pro­fes­so­res. “Es­se cen­tro se­ria uma re­fe­rên­cia na­ci­o­nal”, ima­gi­na o de­mo­cra­ta, que acres­cen­ta: “Go­ver­nar não é só fa­zer obras, is­so é in­su­fi­ci­en­te. As­fal­tar rua não é al­go que mo­di­fi­ca um Es­ta­do, ape­nas con­ti­nua. Se con­ti­nua não trans­for­ma”.

Na mes­ma li­nha de ra­ci­o­cí­nio, o de­pu­ta­do es­ta­du­al e vi­ce-pre­si­den­te do PSDB Me­tro­po­li­ta­no, Da­ni­el Gou­lart, con­si­de­ra que o prin­ci­pal pon­to que ne­ces­si­ta de re­vi­são em Go­i­ás é a ques­tão da de­si­gual­da­de so­ci­al. “Go­i­ás pre­ci­sa re­to­mar a po­lí­ti­ca que cons­tru­iu uma re­de de pro­te­ção so­ci­al”. Gou­lart não des­car­ta in­ves­ti­men­tos e ma­nu­ten­ção dos pro­je­tos pa­ra de­sen­vol­vi­men­to de in­fra­es­tru­tu­ra, mas sus­ten­ta que a ge­ra­ção de opor­tu­ni­da­des e a qua­li­da­de dos ser­vi­ços pres­ta­dos pe­lo Es­ta­do de­vem ser tra­ta­das com des­ta­que. “Go­ver­nar é pen­sar no ser hu­ma­no.”

En­gros­sa o dis­cur­so tam­bém a prin­ci­pal li­de­ran­ça do PTB em Go­i­ás. De­pu­ta­do fe­de­ral e pre­si­den­te da le­gen­da no Es­ta­do, Jo­va­ir Aran­tes de­fen­de que o pon­to de par­ti­da de­ve en­glo­bar va­lo­ri­za­ção e cri­a­ção de al­ter­na­ti­vas pa­ra a ju­ven­tu­de. “Cui­da­do com o pri­mei­ro em­pre­go e a lu­ta pe­la va­lo­ri­za­ção dos apo­sen­ta­dos. O ca­mi­nho é por aí”, su­ge­re. Den­tro dos pre­cei­tos tra­ba­lhis­tas, Jo­va­ir acre­di­ta que a con­so­li­da­ção de obras es­tru­tu­ran­tes de­ve ser pen­sa­da em con­jun­to com a ju­ven­tu­de — em su­as pa­la­vras, uma coi­sa de­ve ser as­so­cia­da à ou­tra. “O no­vo go­ver­no de­ve­ria dar à so­ci­e­da­de ho­ri­zon­te pa­ra se de­sen­vol­ver, ho­je fal­ta is­so.”

Pre­si­den­te do PPS go­i­a­no, Gil­va­ne Fe­li­pe jun­ta to­da a or­ques­tra num blo­co só. Ele de­fen­de um pro­je­to am­plo: “Que le­ve em con­ta o de­sen­vol­vi­men­to eco­nô­mi­co do Es­ta­do, que pri­o­ri­ze a sa­ú­de e a edu­ca­ção, aci­ma de tu­do, on­de ha­ja es­pa­ço pa­ra o fo­men­to da cul­tu­ra, com apoio a ar­tis­tas e ar­te­sã­os, que va­lo­ri­ze as pes­so­as co­mo su­jei­tos de sua his­to­ria, que de al­gu­ma for­ma con­sul­te e va­lo­ri­ze a par­ti­ci­pa­ção das pes­so­as na cons­tru­ção do Es­ta­do e que in­cen­ti­ve a pre­ser­va­ção do meio am­bi­en­te”.

Pa­ra Gil­va­ne, é ne­ces­sá­rio che­gar a um de­no­mi­na­dor co­mum no so­ma­tó­rio en­tre in­fra­es­tru­tu­ra, sa­ú­de e área so­ci­al. “Um pla­no es­tra­té­gi­co pa­ra o Es­ta­do de Go­i­ás cres­cer e se de­sen­vol­ver”, ex­pli­ca. A au­sên­cia des­se que­si­to, na opi­ni­ão do lí­der do PPS, é a ca­rên­cia de “ru­mo” pa­ra po­lí­ti­cas pú­bli­cas. “Pre­ci­sa­mos de um go­ver­no que te­nha vi­são so­bre o que de­ve ser fei­to em ter­mos es­tra­té­gi­cos pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do Es­ta­do”. Por fim, re­su­me que “o dis­cur­so do can­di­da­to de­ve ser le­van­tar a ban­dei­ra do de­sen­vol­vi­men­to”.

Sur­pre­sa — Po­de so­ar co­mo sur­pre­sa pa­ra al­guns, mas uma das mais im­por­tan­tes ca­be­ças do PMDB go­i­a­no de­fi­ne co­mo pri­o­ri­da­de pa­ra o pró­xi­mo go­ver­no es­ta­du­al o in­ves­ti­men­to na área so­ci­al. Co­nhe­ci­do pe­la de­fe­sa de obras co­mo fa­tor de de­sen­vol­vi­men­to, o pre­si­den­te do PMDB em Go­i­ás, Adib Eli­as, dis­se à re­por­ta­gem ser “pri­mor­di­al a ge­ra­ção de em­pre­go e in­cre­men­to de ren­da pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do Es­ta­do”.

Adib com­pro­va o no­vo pen­sa­men­to ci­tan­do mi­né­rio co­mo fon­te ge­ra­do­ra de em­pre­go pou­co ex­plo­ra­da no Es­ta­do. “E de­ve ser ex­plo­ra­da o mais ra­pi­da­men­te pos­sí­vel, por­que é ex­ce­len­te pa­ra ge­ra­ção de em­pre­go e ren­da”. O pe­e­me­de­bis­ta po­de pro­vo­car mais es­pan­to ain­da ao afir­mar, com con­tun­dên­cia, que Edu­ca­ção de­ve ser ou­tro prin­ci­pal que­si­to de pri­o­ri­da­de pa­ra a pró­xi­ma ad­mi­nis­tra­ção. “Go­i­ás tem que in­ves­tir na qua­li­fi­ca­ção de pro­fes­so­res e cri­ar en­si­no de qua­li­da­de. Além dis­so, o go­ver­no de­ve in­cre­men­tar um tra­ba­lho in­ten­so pa­ra me­lho­rar a Sa­ú­de.”

E a in­fra­es­tru­tu­ra? “Não de­ve fal­tar. O in­ves­ti­men­to de­ve ser fei­to em lo­ca­is es­tra­té­gi­cos, prin­ci­pal­men­te nos no­vos dis­tri­tos in­dus­tri­ais do Es­ta­do”. Pa­ra ele, um bom exem­plo que con­tem­pla­ria o re­sul­ta­do de in­ves­ti­men­to em to­das es­sas áre­as se­ria Go­i­â­nia. “É ho­je re­fe­rên­cia em in­fra­es­tru­tu­ra, em ter­mos de meio am­bi­en­te e qua­li­da­de de vi­da”, opi­na.

De­pu­ta­do fe­de­ral e pre­si­den­te do PR es­ta­du­al, San­dro Ma­bel su­ge­re o que re­al­men­te se­ria a so­lu­ção dos pro­ble­mas: “Ca­sar os dois pro­je­tos (es­tru­tu­ral e so­ci­al)”. “Se­ria”. En­quan­to não é, Ma­bel re­cla­ma que o pró­xi­mo go­ver­no não po­de se au­sen­tar de bus­car al­ter­na­ti­vas. Ele de­fen­de o que tem si­do exe­cu­ta­do no âm­bi­to so­ci­al, mas cri­ti­ca o res­tan­te. “O que não po­de é dei­xar o Es­ta­do mal ad­mi­nis­tra­do co­mo fi­cou. Nos­sa in­fra­es­tru­tu­ra evo­lu­iu pa­ra on­de? O Es­ta­do não cres­ce sem es­tra­das, sem pon­tes, sem mo­vi­men­tar a pro­du­ção. Pas­sa­mos oi­to anos sem na­da.”

Em de­fe­sa da atu­al ad­mi­nis­tra­ção do go­ver­na­dor Al­ci­des Ro­dri­gues (PP), o se­cre­tá­rio-ge­ral do PP, Sér­gio Lu­cas, acre­di­ta que o me­lhor pro­je­to pa­ra o pró­xi­mo go­ver­na­dor é “con­ti­nu­ar uti­li­zan­do o que a re­cei­ta per­mi­te”. Pro­põe in­cre­men­to de re­cei­ta pa­ra ala­van­car in­ves­ti­men­tos, es­pe­ci­al­men­te nos se­to­res de ener­gia e tran­spor­te. En­glo­ba edu­ca­ção e sa­ú­de tam­bém co­mo áre­as im­pres­cin­dí­veis. “Três áre­as es­sen­ci­ais que me­re­cem aten­ção são sa­ú­de, edu­ca­ção e se­gu­ran­ça. Elas que dão su­por­te às ou­tras.”

O pe­pis­ta cri­ti­ca a cul­tu­ra de go­ver­nan­tes não da­rem con­ti­nui­da­de às ad­mi­nis­tra­ções an­te­rio­res, in­ter­rom­pen­do o sis­te­ma de tra­ba­lho im­plan­ta­do pa­ra se co­lo­car ou­tro em vi­gor. “É pre­ci­so que o go­ver­nan­te fa­ça um pla­ne­ja­men­to es­tra­té­gi­co pa­ra mé­dio e lon­go pra­zos. Pla­ne­jar pa­ra ape­nas qua­tro anos é da­no­so pa­ra o Es­ta­do”, sa­li­en­ta.

Mas Sér­gio Lu­cas ates­ta que “ne­ces­sa­ria­men­te, é me­lhor que se pri­o­ri­ze in­ves­ti­men­tos em in­fra­es­tru­tu­ra”. Na opi­ni­ão de­le, dar con­ti­nui­da­de a pro­gra­mas so­ci­ais é ne­ces­sá­rio, mas cria de­pen­dên­cia in­de­se­ja­da da po­pu­la­ção. “Is­so é da­no­so e ar­ris­ca­do a lon­go pra­zo. Aco­mo­dar a po­pu­la­ção com aju­da per­ma­nen­te im­pe­de que ela se de­sen­vol­va so­zi­nha.” Su­ge­re que a mais pal­pá­vel al­ter­na­ti­va ca­paz de es­ti­mu­lar em­pre­go é a im­plan­ta­ção de tran­spor­te ade­qua­do e ener­gia.

Ou­tro pon­to des­ta­ca­do pe­lo se­cre­tá­rio é ana­li­sar ten­dên­cias pa­ra in­cen­ti­var pro­je­tos de de­sen­vol­vi­men­to em re­gi­ões es­pe­cí­fi­cas. “Os in­ves­ti­men­tos de­vem ser ob­ser­va­dos sob um olhar di­fe­ren­ci­a­do. Pla­ne­ja­men­to re­gi­o­nal es­pe­cí­fi­co pa­ra ca­da área”. Exem­plo se­ria tra­zer in­ves­ti­men­tos in­ter­na­cio­nais pa­ra Go­i­ás co­me­çar a com­pe­tir com os prin­ci­pa­is Es­ta­dos do Bra­sil.

A par­tir de 2011, sob um no­vo go­ver­no es­ta­du­al, o elei­to­ra­do es­pe­ra que mu­de não ape­nas a voz do go­ver­na­dor, mas tam­bém o dis­cur­so. É aguar­dar pra con­fe­rir.

Disponível em: http://www.jornalopcao.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário